Palavras para felicidade

Talvez seja o sorriso que dei, a alegria que senti, as lágrimas que me brotaram, as gargalhadas arrancadas, as dores, marcas e sensações que se estampam em minha pele. Pode ser tudo, como pode ser nada.

Pode ser o êxtase, o transe, o ápice de sentimentos bons ou o ápice de sentimentos ruins.

Quando me deito na grama e observo o céu claro, quando o sol me queima e o vento me refresca, quando sinto a água descendo a garganta, quando ouço barulhos estranhos no meu estômago ou me molho na chuva, quando me magoam e quando me elogiam, quando me sinto plena e quando me sinto vazia.

Pode ser num momento de felicidade como num de tristeza, pode ser a beleza de outra pessoa, pode ser meu reflexo, a dificuldade de interpretar ou a clareza de um som.

É a luz que me dá dor de cabeça e a escuridão que me conforta, são minhas crenças, valores e sentidos. Minhas opiniões, minhas discórdias, meus aprendizados, meus convívios. É tudo que me envolve, ou é nada.

O pássaro que voa as nuvens que são levadas, as estrelas no além, o choro de emoção, os passos desengonçados com a música, a voz, a melodia, o filme, o livro, o instrumento, a anatomia, é tudo que me faz.

O social, o filosófico, a matemática, a geografia, é a história – minha História – é o que me mantém acordada. É a insônia e a ansiedade, o enjôo e o formigamento, é o diálogo e a gritaria, é tudo que me mantém viva.

São as brigas, os afastamentos, o tédio. A vontade de desistir, a falta do que fazer, a irresponsabilidade, a responsabilidade, o amor, o ódio, a raiva, as bochechas vermelhas.

O calor que passo de baixo de blusas, o frio que sinto com a falta destas, a teimosia, as contradições e as mudanças de hábitos.

São as incertezas, o excesso de certezas, a alienação, a ignorância, a inteligência. É o orgulho e o ato de não assumir, é o quanto apanhei do pai e o quanto me levantei aqui. É o fato de eu continuar em pé mesmo depois de tudo.

Foi minha violação, a invasão dos sentimentos, o excesso deles e sua falta.

É a saudade e a graça por ter passado momentos, são as lembranças que ficam e as memórias que não voltam, os dias que se passaram e os dias que virão, a força, os colegas. Os que fazem a diferença e não sabem, os que fizeram a diferença e nem ligam e os que farão a diferença, mas nem imaginam, é tudo que está ao meu redor.

É o que me faz chorar e rir. É a empatia e a apatia, o desejo do que é errado e a falta de interesse no certo, é a paixão compartilhada, é tudo, absolutamente tudo, tudo que se mantém estável, por conta de pessoas dessa trajetória.

Pessoas pelas quais valem a pena continuar, pessoas que fazem você querer continuar, mesmo quando não quer de fato, são elas que fazem a diferença. 

Espero que eu sempre acorde, espero que eu me sinta bem. Espero que eu me sinta mal e tenha vontade de morrer, para saber que estou viva. Quero sentir vontade de chorar, para assim saber que fui feliz. Sem choro, não há sorrisos, é o que aprendi com a vida.

Foi um longo processo, mas consegui e é isso que as pessoas precisam saber, elas em sua grande parte, conseguem também, eu acredito, mas elas não acreditam em si, entendo, eu também não acreditava.

Tento ao máximo não falar de mim, mas acaba sendo inevitável.

Ouvir funk, músicas animadas.
                                                                                                            

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s